segunda-feira, 15 de março de 2010

Join me In Death


A noite é fria. A chuva gelada cai sobre minha pele morna, e a lembrança de seu corpo quente em meus braços é tão vívida que chego a sentir seu hálito e seus lábios deslizando sobre minha pele, sem me beijar.


Pagaria qualquer preço para sentir esse gosto novamente. A dor cresce ainda mais, gotejando como ácido em minhas veias. Minhas mãos acariciam o rosto inexpressivo por um momento. Meus dedos tocam a face bem-desenhada, os cachos bem-feitos do cabelo escuro, contornam os lábios perfeitos e quase sem cor. O mundo era puro silêncio.


– Tão... Bonito. – murmuro, tão trêmula e relutante quanto a beleza que hesitava em deixá-lo. Meus braços permanecem firmes ao redor de seu corpo, os dedos como travas em seus ombros. Ele parecia frágil como uma criança pequena.


Pressionei a boca em sua testa fria. O gosto convidativo de sua pele era quase imperceptível, e o fluxo agradável do sangue através de sua pele fina desaparecera por completo. Ele tinha gosto de vida, e eu nunca esperei menos dele, afinal, partira de minha vida exatamente como chegara à ela: sem motivos, sem razões.


Beijei a pele macia do pescoço alvo e minhas mãos o soltaram carinhosamente no chão. Agora fazia sentido, e nada importava. Eu mesma não significava nada. Tudo era pouco. Nós dois, juntos, éramos mais que o mundo.Sem ele, eu não era nada. Segurei o metal frio e molhado da arma com os dedos trêmulos, erguendo devagar, cautelosamente, na altura do peito. Manchas de um escarlate úmido e desbotado tingiam a camisa branca que se misturava à palidez de sua pele. O rosto permanecia sereno, como se ele estivesse dormindo. Mas ele jamais acordaria.


Não cogitei pensar se suportaria sua ausência. Não correria o risco de perdê-lo também. Eu prometera amá-lo na saúde, na doença, na alegria e na tristeza, na riqueza e na pobreza até que a morte nos separasse. Mas eu não deixaria isso acontecer.


Respirei fundo, sentindo o pulsar irritante e doloroso do meu coração. Segurei a arma com firmeza entre as duas mãos e apertei o gatilho.


Uma. Duas. Três vezes. Eu não queria esperar.


A arma caiu de meus dedos ensangüentados quando senti a morte invadir meu corpo com facilidade. Desabei ao lado dele, e gemi, surpresa com a dor. Minha mão direita segurava a sua, e a esquerda tentava inutilmente manter meu sangue dentro do corpo. Desisti e acariciei a palidez marmórea de suas faces. Eu também sangrava por dentro, e sentia o ar entrar por meus pulmões como navalhas minúsculas e afiadas. Sorri, sentindo que não faltava muito.
Abraçada ao seu corpo inerte, esperei para morrer.


#

Inspirada em Join Me In Death - HIM.

5 comentários:

  1. lindo texto, laiz. gostei mesmo.
    você escreve bem, hehe.
    begs
    ;D

    ResponderExcluir
  2. Nossa que profundo *-*
    GOD eu curti bastante, ficou profundo e cheio de emoções,
    do tipo de fic que nos faz sentir como os personagens se sentem.
    Deixou um arzinho misterioso e malancólico no ar que conduziu muito bem a fic até seu desfecho.
    Está de parabéns *--*

    ResponderExcluir
  3. Ain, obrigada, flor :)
    Agradeça ao tio Shakspeare por me inspirar com Romeu e Julieta.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Pessoas que não comentam estão sujeitas a serem completamente drenadas por mim e meus dentes. Sério. >:D